quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Mare meum


Esperavas-me. 
Demos as mãos.
 Levaste-me a ver o mar. Já te havia pedido...
 Ouvir as ondas e as gaivotas... 
Na espuma branca revolta os nossos sonhos. Ou,  pelo menos os meus... 
Ofereces-me uma pequena pedra que apanharas na areia. 
Tem a forma de um coração. 
É linda! Guardo-a carinhosamente... 
A brisa envolve-nos e acaricia-nos num êxtase pleno e fecundo em sintonia com o universo.
Inspiro o prana marinho com uma saudade antiga, de outrora...
Caminhamos, o mar lambe-nos os pés com doçura...são beijos dados com pepitas de sal.
A maresia salpica-nos a pele. De repente, um marulhar agitado. A minha cauda teima em não sair da água...
Sinto-me em casa...