domingo, 10 de novembro de 2013

Seria... (para um amigo)


Na concha do teu colo encosto o meu ouvido e 
ouço o teu pulsar: tum, tum,tum, tum  e 
ao fundo o mar.
Afago os teus cabelos e 
os meus dedos deslizam nas ondas suaves com ternura.
Agarro-me a eles para não cair no abismo que o meu ser carrega.
Embalas-me...
 lembras-me canções há muito esquecidas.
O teu perfume inebria-me- a maresia instala-se e 
percorre cada pedaço de mim, cada grão de areia que rola no teu olhar.
Aconchego-me mais, 
apertas-me de encontro a ti e 
sinto-te firme como uma pequena rocha onde eu me ancoro...
e se me deixares... para sempre.
Sinto-me grande, como Odisseu! 
Eis a sereia que tomei para mim. 
A que quis olhar e sentir! 
Ousarei ouvir-te se quiseres, sem medos , sem artifícios.
 Resgatarei com pulso a minha condição: 
amar-te até à eternidade e sempre,
 sempre que estas linhas sejam lidas...