terça-feira, 7 de julho de 2015

Patientia

Quando se espera o tempo parece demasiado lento.
A nossa paciência fica sensível, mais ainda que o habitual. Porque, diga-se em abono da verdade, ela já não é muita e, ainda por cima é pouco tolerante.
Que dizer?
É uma das sete virtudes que devemos ter. Ou cultivar  Nascemos com tantos trabalhos... homem, mulher (com mais ainda por acrescido à condição), ser social, trabalhador, empreendedor, forte, tenaz, perseverante, honesto, amigo, generoso, humilde e, feliz!
Os trabalhos e os dias do caminho que temos de peregrinar desde que saltamos do carro das almas até que voltemos a ser  de novo centelha divina.
Feitos à semelhança, com poderes criadores, vamos construindo o nosso eu numa casa herdada,
com genes que com a idade  vão refinando,
tecendo à nossa volta uma teia laboriosa e intrincada,  onde muitas vezes somos apanhados, 
qual armadilha ardilosamente montada e de onde,
 muitas vezes,
não conseguimos escapar.
Morrendo ou fazendo-nos morrer nesse labirinto em que nos tornámos.
E para isso não nos faltou engenho e arte e... tempo.
Haja paciência!