terça-feira, 21 de outubro de 2014

Champagne


Assim se faz o caminho.
Cada pedra colocada no seu lugar,
com calma e paciência,
em busca constante de perfeição.
Colmatam-se fissuras, fendas, rachas ou faltas
com argamassa de solidez relativa, que, por vezes,
ao menor abalo ou tremor,
faz ruir a levada. E a esperança,
um terço da mistura alquímica do alicerce fabricado,
funde-se em líquido esquivo que escorre a fio no vazio. 
 Mas, nascer de novo e mais uma vez, 
 traz a vontade de mergulhar em espirais
de bolhinhas de ar que ...  fazem impressão no nariz!