segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Horizonte

Na linha do horizonte caminho.
Com um pé à frente do outro, vagueio em mim.
Ardo na fogueira dos sentidos que me abrasa e envolve, 
onde me dou, entrego e deliro e o meu corpo se preenche 
em frémitos de alegria, compulsivamente… suavemente.
Encontrei os teus olhos.
Também eles vagueavam no horizonte.
Sentamo-nos.
Com os pés bamboleantes, trocamos e intuímos palavras.
As ideias partilham o pensamento. 
E os olhos se fundem , derretem-se 
em cores opalinas que reflectem a luz 
que chispa em cada piscar.
O silêncio instala-se e nos conforta. 
Basta-nos estar. Sermos.
Um (re)encontro há muito esperado. Pleno.
Gosto de ter-te a meu lado. 
Ofereço-te abraço-regaço-espaço… afago.
Mas, por momentos, apetece-me roubar-te …ou doar-me (n)um beijo…