terça-feira, 28 de janeiro de 2014

Crónica real


Gostava, meu rei, de ter o castelo sempre arrumado, limpo e a brilhar como deve ser um castelo digno de um rei.
Gostava , meu rei, de ser uma mãe extremosa e competente, de ser uma anfitriã atenta e afável, ser uma companheira de armas e bagagens e de simples passeios à beira-mar.
Gostava, meu rei, de afastar tudo o que possa abalar nossa paz e sossego, de expulsar demónios, dragões e caloteiros do teu caminho, de estender o tapete vermelho por onde quer que passes e honrar-te e venerar-te o mais que possa.
Contudo, com tanta madrinha, tias , avós e demais família, nenhuma me ofereceu para o enxoval, uma varinha mágica.