quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Spleen dos 50

Hoje acordei assim:
com um capacete cinzento por cima da minha cabeça.
Parece um secador de pé, daqueles que algumas senhoras tinham em casa, para fazerem uma mise de rolos sem gastar dinheiro no cabeleireiro, porque a poupança era tudo. Ser poupada era uma qualidade muito apreciada à época. Parece um pouco antigo, mas é a realidade.
 Já tenho algum digamos, background.
No regresso à faculdade descobri que carrego uma responsabilidade acrescida por ser o último ano de licenciatura. Digamos que foi-nos oferecida uma mochila para este ano e ainda um bilhete para uma viagem, ainda em sonho, para um mestrado a seguir.
 É curioso: reingressei no curso que não tinha escolhido, na última e derradeira oportunidade de o concluir em regime pós laboral, com um conjunto de pessoas (agora amigos) que por, também eles, circunstâncias diversas,  se juntaram para realizar esta licenciatura e encontrei uma passadeira vermelha para me receber na faculdade, que parece esperava por nós. A relação e o deferimento dos nossos professores para connosco é comovente e chocante, não me reconhecendo as propriedades que, a seus olhos pareço ter, passando-nos uma certeza de capacidades que me ultrapassa e que me causa estranhamento. 
 E são estas coincidências, destino talvez, que me faz pensar que,  se calhar, está tudo definido, aprazado e que, de alguma forma o caminho se escreve,  de facto,  por linhas tortas.
 E as palavras são poucas, ou antes, o engenho é pouco para manusear tanto reboliço na minha alma ...