terça-feira, 16 de setembro de 2014

Gollum(a)

A minha relação com a exteriorização dos afectos foi sempre estranha.
 Nunca fui dada a atitudes ou expressões amorosas e lamechas muito menos.
 Os meus filhos atestam esta afirmação.
De uns tempos para cá (deve ser da idade), a tendência tem se desvanecido e expressões como amor, quiducha,  fofinha ou "" ou "" (forma carinhosa que utilizo com muita frequência ao meu mais que tudo) bailam na minha boca com alguma insistência.
Com  os pronomes possessivos também é a mesma coisa. Agora utilizo-os com grande veemência e afirmo isso mesmo.   Pouco tolerante, portanto. 
E se isto se agrava?!
Transformo-me em Smeagol(a)?!
 Ficarei careca?!
Que medo!