sexta-feira, 2 de setembro de 2016

Atlântico


Sim amor, fomos ver o mar.
Continua a tecer na renda branca
o movimento ancestral do tempo...
E como é fugaz o tempo!
A opala cor que trajava hoje
estava ornada de pequenas pérolas
que o vento brando formava...
Estava na vazante,deixando rasto
na areia firme e dura, que beijava
insistentemente...
Também os teus beijos são sal
na flor que os teus lábios trazem
à paixão que me incendeia e
que deito nas águas, serena,
na dimensão que os olhos alcançam.

Serei feliz, sempre, amor,
de toda a vez que vier ver o mar!