quinta-feira, 23 de junho de 2016

Inevitabilidade



Deslizas pelos dedos
e eu, sem querer, pressinto o abandono
de me morreres nas mãos

Espantas-me  os  medos...

(pensamento a esmo, desenfreado catavento
sem dono...pasmo e loucura)

e eu, a morrer,
solto a tinta escura
marca absoluta em desalinho assombro
e amarro vivo um atilho à penumbra.