quarta-feira, 20 de abril de 2016

vígil




o vento rasga e esboça uma feição na nuvem que teima e insiste pintar...
sibila o sopro do silêncio... ouço-te...vígil