terça-feira, 29 de abril de 2014

Vivere


Foi em Abril, amor, que todas as janelas se abriram.
Brotaram cravos nas janelas, nas lapelas, nas bocas.

A esperança pintou de novo os rostos com linhas suaves e, de verde, delineou os olhos-espelho. 
Brilham e reluzem aos raios de sol que (re)nascem com novo fulgor e vida.

Foi em Abril amor...  os sonhos se tornaram azuis e as asas voaram.